Outros países

A terceira situação diz respeito a países com os quais não estão previstos qualquer tipo de acordo, nem a nível dos regulamentos comunitários de Segurança Social, nem tão pouco através de uma convenção bilateral com a França.

Se a sua carreira decorreu num país que não está abrangido pelos regulamentos comunitários em matéria de Segurança Social nem por uma convenção bilateral de Segurança Social com a França, então :

  • Não pode beneficiar da totalização dos períodos que permitem determinar a taxa de pagamento da reforma francesa.
  • Não poderá obter a coordenação entre os países do seu pedido de reforma. Terá que solicitar directamente ao Estado onde trabalhou e que deve fazer a liquidação dos direitos eventualmente obtidos nos termos da legislação local.

Mediante algumas condições, tem a possibilidade de validar em períodos equivalentes os anos de actividade efectuados antes do 30 de Abril de 1982 e/ou  admitir o pagamento das cotizações correspondentes.